Prédios verdes: mais sustentáveis e mais rentáveis

A questão da sustentabilidade já foi vista como entrave aos resultados financeiros positivos das corporações. Hoje, com a evolução do mercado, esse cenário vem mudando, assim como a mentalidade dos gestores. Para ajudar a cuidar do planeta e a valorizar o patrimônio, uma das iniciativas são as certificações prediais de cunho ambiental como os selos LEED e Aqua, que indicam as construções com custos menores de operação por consumirem menos recursos (os prédios verdes).
Geraldo Victor, gerente geral de Gestão Condominial da administradora Apsa, explica que a adaptação de um edifício a normas ambientais é um investimento de longo prazo. "O investidor pode aplicar um pouco mais de capital no imóvel, mas sabe de antemão que ele economizará com diversos insumos futuramente, como água e energia, e terá um imóvel bem valorizado em caso de revenda", afirma.
No Brasil, a certificação mais adotada é a LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), avaliada pelo Green Building Council Brasil (GBC). Os selos Certificado, Silver, Gold e Platinum, que variam de acordo com a quantidade de pontos adquiridos, podem ser aplicados aos imóveis em todas as fases. A tipologia BD+C é utilizada nas novas construções ou àquelas que passam por grandes reformas. Mas, as edificações existentes também podem se adequar na tipologia O+M, criada a fim de evitar a demolição de prédios mais antigos.

Benefícios dos prédios verdes
Entre os benefícios econômicos, o GBC lista a diminuição dos custos operacionais e dos riscos regulatórios, além da valorização do imóvel e do aumento na velocidade de ocupação e retenção. A depender do nível de adequação e do tamanho do bem, o custo de implantação pode chegar a 7% do total. No entanto, a valorização para revenda alcança até 20%, ao passo que as despesas rotineiras caem 9%, em média. Isso só é possível graças ao uso racional de recursos, principalmente água e energia, e à redução nas emissões dos gases de efeito estufa e dos impactos ambientais, responsáveis pelas mudanças climáticas.
A instalação de um sistema de controle de fluxo de água em torneiras, pias e sanitários, e a captação de água da chuva e o reuso do líquido, que podem reduzir em 50% o consumo de água potável, são algumas das medidas mais adotadas. No quesito energia, aproveitar ao máximo a luz natural é sempre um norte, além de instalar lâmpadas de LED, ar-condicionado mais eficientes e sistemas de produção de energia solar ou eólica. Tudo isso pode fazer o consumo elétrico cair 30%. Há ainda o selo Procel Edifica, da Eletrobrás Procel, que avalia a envoltória, a iluminação e o condicionamento de ar. Para atingir o objetivo de economia, podem ser instalados equipamentos de automação, sensores e válvulas.
No Brasil, há também o selo Aqua, da Fundação Vanzolini, vinculada à Universidade de São Paulo (USP). O referencial dessa certificação é a francesa Demarché HQE, e seus critérios se assemelham aos adotados pelo GBC no LEED. No caso de novas construções, a avaliação considera o pré-projeto e as etapas subsequentes. Já nos empreendimentos já construídos, as rotinas de gestão predial devem ser planejadas e monitoradas periodicamente. Também estão disponíveis no país os selos DGNB, da Associação Alemã de Construção Sustentável, e o britânico Breeam.

Qualidade de vida
Outra certificação que, de certa forma, complementa os selos focados no meio ambiente, é o Well, desenvolvido pelo International Well Building Institute (IWBI), que prioriza a qualidade de vida dos ocupantes do edifício. Seus resultados vão desde o aumento da produtividade e do engajamento dos trabalhadores, à redução do absenteísmo por motivos de saúde e familiares, além do presenteísmo - quando a atenção da pessoa se dispersa, "com a cabeça em outro lugar". O ambiente também contribui para a retenção de talentos e, consequentemente, diminuição da rotatividade de colaboradores. Para receber o selo são avaliadas questões como a qualidade do ar e da água, nutrição, iluminação, atividades físicas, conforto e bem estar mental.
Geraldo Victor ressalta que o fato de um condomínio ser sustentável pode ser determinante na hora de fechar o aluguel ou venda de escritórios. "O selo verde oferece a garantia de que a empresa interessada terá menos insumos a pagar, o que contribui para a sua própria competitividade", aponta. O gestor acrescenta que as despesas do condomínio também tendem a diminuir, reduzindo, consequentemente, o valor da taxa condominial. Ocupar um espaço ecologicamente correto pode ainda ser aproveitado do ponto de vista da marca, uma vez que a companhia pode agregar valor a ela.
Fonte: Mercado Imobiliário

CEMIG abre concurso para escolher a iluminação de Natal da Praça da Liberdade

A Cemig, em parceria com o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG), abre, nesta quinta-feira, 12/07, a seleção pública de propostas para iluminação do Natal de Minas Gerais, que acontece, tradicionalmente, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte. O tema obrigatório da decoração natalina será "Músicas de Minas", sendo avaliados, entre outros itens, a criatividade e a sustentabilidade da ideia, cuja execução ficará a cargo da Cemig.

Segundo a gerente de Comunicação Interna da Cemig, Nathalia Dornellas, o objetivo desta seleção pública é que a iluminação de Natal de Belo Horizonte alcance, além do espetáculo visual das luzes, a democratização do espaço público. "É uma oportunidade de valorizar o trabalho de artistas locais e envolver os cidadãos nos projetos da cidade. A nossa expectativa é receber projetos inovadores dentro da temática proposta", afirma.

Em sua proposta conceitual, o participante deverá alinhar o tema à decoração natalina e levar em conta como a iluminação se relaciona com o conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade e com as apresentações culturais que acontecerão no Circuito Liberdade, no final do ano. Além disso, deve considerar a proteção e a promoção dos patrimônios histórico e artístico do estado, pensando, ainda, na importância turística e cultural do local.

As propostas serão avaliadas por uma comissão julgadora formada por sete membros, sendo três representantes da Cemig, um do Poder Executivo estadual, um do Poder Executivo municipal e dois da sociedade civil. O autor da proposta vencedora receberá o prêmio no valor de R$ 40 mil e sua ideia ficará exposta na Praça da Liberdade, durante o Natal de Minas Gerais.

As inscrições para a seleção pública se estendem até 10 de agosto próximo. Podem se inscrever pessoas físicas ou jurídicas ou um representante legal em caso de coletivos de artistas. O edital já está disponível no site da Cemig.

Revitalização

Desde julho deste ano, a Praça da Liberdade passa por uma grande revitalização, em uma parceria do Iepha-MG com a Prefeitura de Belo Horizonte e a Vale. As ações incluem a restauração de elementos artísticos, pisos e placas, a substituição do mobiliário, a requalificação dos jardins e a reformulação de todo o sistema de iluminação. A praça será entregue à população no final do ano totalmente renovada e será palco de um novo projeto de iluminação natalina, selecionado a partir do edital da Cemig.

FIEMG e CEMIG levarão cultura maker para 14 municípios mineiros

A FIEMG e a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) assinaram um convênio de cooperação técnica, nesta quinta-feira (5/7), para viabilizar o LAB TRUCK TOUR. O projeto é voltado para a divulgação da cultura maker em Minas Gerais para a criação de soluções em eficiência energética.
O caminhão do SENAI fará uma turnê tecnológica para oito regiões do Estado, com ação direta em 14 municípios. Serão ofertadas oficinas makers e de arduino (com foco em projetos de eficiência energética) para explorar a eficiência energética, sensibilizando para a necessidade da inovação e do empreendedorismo  tecnológico.
"A CEMIG tem um projeto de P & D, já há alguns anos, e temos feito uma mudança mais estrutural, pensando em mecanismos mais inteligentes, que possam beneficiar os mineiros, mineiras e industriais. O trabalho da FIEMG já é muito reconhecido na área de tecnologia e inovação e a ideia é descentralizar para todas as regiões do estado", diz o diretor de Relações Institucionais e de Comunicação da CEMIG, Tiago de Azevedo Camargo.
Para o presidente da FIEMG, Flávio Roscoe, o convênio une a entidade à maior indústria do Estado. "Juntos, pretendemos levar a eficiência energética para toda Minas Gerais, utilizando o que temos de mais moderno, que são as ferramentas da área de tecnologia. Eficiência é ganho de produtividade, ganho para a sociedade, geração de sinergia e aumento potencial dos mineiros", reforçou.
O objetivo é colaborar para a geração de um ecossistema inovador e criativo à partir das tecnologias de fabricação digital no Estado de Minas Gerais. A população, especialmente os jovens, terá acesso a conhecimentos relacionados à cultura Maker e ao empoderamento para construção de soluções em eficiência energética por meio da prototipagem digital.
O subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Governo de Minas Gerais, Leonardo Oliveira, destacou que o projeto vai aproximar o público final do mundo da tecnologia. "O Lab Truck vai levar insumos para que o meninos possam colocar a mão na massa. O jovem hoje convive com a inovação e a tecnologia, entra no youtube, na internet, consulta, mas essa é a oportunidade  de chegar em casa e dizer para a mãe e para o pai, que está trazendo uma solução para diminuir o custo de energia da casa dele. Poder fazer isso em todo o estado é um grande diferencial".
Entre julho e dezembro de 2018 serão realizadas até 56 oficinas, em 14 cidades. Por município, serão realizadas duas oficinas de sensibilização maker (com 15 vagas cada) e duas oficinas tecnológicas com temática em eficiência energética, por meio da técnica de arduíno, comum ao universo da programação maker (com 10 vagas cada).
As oficinas de sensibilização terão carga horária entre uma e três horas cada e as oficinas tecnológicas, aproximadamente 4hs. O Lab Truck estará aberto para visitação do público em geral para difusão e conhecimento de um espaço Maker e o mundo da prototipagem digital.
A primeira turnê começa pela capital mineira, Belo Horizonte e Montes Claros, no Norte de Minas. Em seguida, o LAB TRUCK TOUR powered by CEMIG, vai para Ouro Preto, Itabira, Betim, Ipatinga, Governador Valadares, Ribeirão das Neves, Santa Rita do Sapucaí, Itajubá, Contagem, Uberaba, Juiz de Fora e Nova Lima.
Para saber outras informações sobre o projeto, faça sua pré-inscrição.    <https://acesso.fiemglab.com.br/lab-truck-tour>
Fonte: https://www7.fiemg.com.br